Blog

05 de outubro de 2018    Por: souoribaAdmCOMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS

Contrate uma agência após ver seu “plano de governo”

Antes da Oribá existir, lá no não tão longínquo ano de 2014, Rodrigo Cândido, seu idealizador, era gerente de marketing em uma multinacional do setor de serviços financeiros. Por muito tempo, coube a ele negociar, e muitas vezes se frustrar, com as agências de comunicação, marketing e propaganda que contratava. Nesse período, ele percebeu que sobravam promessas, mas faltavam responsabilidade e comprometimento. Os prazos não eram respeitados, as entregas ficavam aquém das expectativas… isso, quando sequer eram feitas.

Em 2014, Rodrigo deixou a posição confortável que tinha nessa multinacional justamente para tentar transformar positivamente o cenário que o incomodava tanto. Começou a planejar aquilo que, nos anos seguintes, dariam vida à Oribá. A ideia dele era juntar tudo o que faltava nas suas antigas agências fornecedoras e fazer diferente… realizar melhor. Sua missão era oferecer ao mercado desde de planejamento de marketing a comunicação e conteúdo, passando por promoções e eventos, enfim, tudo aqui que as áreas de marketing, recursos humanos e comercial das empresas tanto necessitam de parceiros externos.

Hoje a Oribá, que completou três anos de vida em 2018, é justamente esse parceiro comprometido com prazos e em manter sua credibilidade, que só cresce e tem sido tão importante nas relações comerciais. Tanto é verdade que, desde o início, Rodrigo lutou até mesmo para afastar o rótulo “agência” da Oribá justamente por entender que ele não traz consigo credibilidade. Sim, atualmente a Oribá realiza bem tudo o que as agências embalam em seus discursos; a diferença é que se desdobra para atender não só a real necessidade do cliente, e no tempo certo, mas para, de fato, surpreendê-lo. Afinal, cliente feliz sempre volta.

Bom, mas vamos falar das eleições?

Está bem difícil escolher aqueles que vão nos representar no Legislativo e no Executivo, que farão as entregas que o Brasil tanto precisa. Assim como grande parte das agências por aí, os candidatos que temos despejam promessas diante de nós e, claro, alguns deles até conseguem ter votos de confiança. Mas, infelizmente, as nossas experiências anteriores mostram que, uma vez eleitos, eles não fazem muita questão de nos fazer clientes realmente satisfeitos. Com isso, sobra frustração e multiplica-se descrença.

Esse paralelo que fazemos entre agências e os tais políticos brasileiros não é para desanimar, mas é para mostrar que nem tudo está perdido. Há uma luz no fim do túnel, mas chegar até ela depende também – e muito – desse dito “cliente”, que têm nas mãos o poder de escolha. Saiba que o plano de governo mostra muito das agências e dos políticos que querem nos ter como clientes, então, não deixe avaliar antes de tomar a sua decisão.

Pergunte-se: quem é esse candidato/agência? O que pretende fazer? O que já fez? E quem recebeu algo dele/dela, o que tem a dizer sobre? Será que realmente cumpre o que promete?

Essas são perguntas extremamente cabíveis àqueles que querem chegar às conclusões certas. E o tempo que se chama hoje é o único capaz mostrar verdades que nos aproximam daqueles que realmente são capazes de satisfazer. Não tolere promessas vazias.

Conheça os “planos de governo” da Oribá

Oribá é “lugar feliz”no tupi-guarani. Seus nome e significado não são coincidências. Saiba que essa tal felicidade é justamente o combustível que leva a empresa adiante. Duvida? Então confira a matéria do Jornal da Band, com o tema “felicidade no trabalho”, que traz a Oribá como case.

Assista e veja por você mesmo:

Deu pra entender por que a Oribá fala tanto em felicidade? A lógica é simples: a ideia é manter os funcionários felizes para que, a partir do bem-estar que isso proporciona a todos dentro e fora da empresa, tudo flua tão bem, mas tão bem, que os projetos sejam realizados melhor do que os clientes esperam. Assim, clientes também ficam mais felizes e essa felicidade segue contagiando por onde passa. É um ciclo interminável que gera grandes resultados.

A Oribá tem a felicidade como plataforma de governo:

Gestão horizontal e autonomia – não há chefes na empresa ou cobranças excessivas e todos da equipe têm liberdade para liderar projetos.
Clientes também são fornecedores – uma parte de tudo o que a empresa ganha retorna para clientes, seja em patrocínios ou em outras transações.
Fomenta crossover entre clientes – intermedeia negociações e vê oportunidades para que clientes distintos compartilhem projetos entre si.
Divide projetos com parceiros especialistas – conta com a expertise de terceiros para que cada projeto seja perfeitamente executado.
Humildade para ouvir os clientes – sabe que não é dona da verdade e que os clientes têm muito a agregar. Lida bem com críticas e sugestões.
Comercial com funcionários, amigos e clientes – todo mundo que indica prospect merece ganhar comissão assim que a empresa fecha o contrato.
Celebra-se cada mínima conquista – tudo é motivo para que a equipe se reúna e compartilhe momentos felizes, tornando o ambiente mais leve.
Empresa que fica em uma casa – o ambiente informal ajuda a fazer com que todos que cheguem se sintam realmente em um lar.
Funcionários dividem espaço com duas cadelas – Pipoca e Conchita são a alegria da equipe, que não perde uma chance de interagir com elas.

GOSTOU? COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS

COMENTÁRIOS

Você também pode - e deve - comentar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MAIS POPULARES